A Síria está sendo depredada por bandidos

terça-feira, 8 de abril de 2014

O “museu a céu aberto”, como é apelidada frequentemente a Síria, poderá ficar sem monumentos. Desde o início do conflito armado, em 2011, muitos dos monumentos, que faziam parte do patrimônio cultural do país, já foram destruídos. Os que ainda não foram varridos da face da terra estão sendo roubados e o seu conteúdo transportado para o exterior por bandidos.

Em dois anos o contrabando de obras antigas para fora da Síria aumentou 10 vezes. Os peritos preveem que, se o processo não for parado o mais rápido possível, essa herança cultural poderá ser perdida para sempre para a Humanidade.
Segundo cálculos preliminares, durante o conflito armado na Síria, ficaram seriamente danificados ou destruídos muitos monumentos históricos, parte dos quais era considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO, enquanto a maioria dos artefatos, laboriosamente recolhidos pelas expedições arqueológicas dos últimos 150 anos, foram vendidos no mercado negro dos países vizinhos da Síria.
Já há um ano os peritos tinham avisado da possibilidade de se perder patrimônio cultural da Humanidade e do aparecimento da “arqueologia paralela”. Nessa altura a direção do país prometeu fazer tudo o que fosse possível para conservar o patrimônio, mas hoje já se tornou evidente que as autoridades não estão em condições de garantir a sua segurança. Desde os seus primeiros dias o conflito armado atraiu a atenção dos profissionais do contrabando que não se detêm perante nada para a obtenção de proveito, diz o presidente do Instituto do Oriente Médio Evgueni Satanovsky:
“Não é uma coincidência a presença de milhares de militantes, incluindo os que já estiveram nas zonas de extensas pilhagens do Iraque, do Afeganistão e da Líbia. Nos anos da luta de libertação da ditadura de Kadhafi, da ditadura de Saddam ou da ditadura de Najibullah, foram pilhados praticamente todos os museus nacionais e parques arqueológicos. É a presença deste tipo de profissionais em território sírio que lhes dá possibilidades extremamente alargadas para abastecer o mercado mundial da “arqueologia paralela”.
A delapidação do patrimônio artístico e cultural durante os períodos de operações militares e de conflitos armados é um fenômeno que, além de se ter tornado constante, já é de certa forma habitual. Continua por apurar o destino dos monumentos da Babilônia depois da guerra do Iraque, é impossível calcular a escala dos roubos na Líbia, enquanto os tesouros do Egito continuam a ser roubados por saqueadores. O comércio de antiguidades sírias já está atingindo uma escala sem precedentes, o seu volume já ultrapassou os dois bilhões de dólares.
O conflito na Síria já dura desde março de 2011. Até hoje na Síria foram destruídas total ou parcialmente 11 necrópoles das épocas romana, paleocristã e do califado árabe, o castelo de Aleppo, datado do século X, e muito mais. Durante este período, segundo informações das autoridades sírias, morreram cerca de oito mil pessoas, mais de 20 mil segundo os dados da ONU.
Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/2013_09_30/A-Siria-est-a-ser-pilhada-por-salteadores-0069/?from=menu

2 comentários:

Noemi disse...

hola, visitando su blog les dejo un saludo desde mi blog www.creeenjesusyserassalvo.blogspot.com

Marlene Rocha disse...

O desrespeito humano nos dá vergonha.