Camelos nos tempos Bíblicos?

sábado, 15 de fevereiro de 2014


Eles andavam por lá
Mais uma matéria tentando desmentir o texto Bíblico! A afirmação de que camelos não existiam nos tempos patriarcais não é nova. Dizem que a história dos patriarcas está cheia de camelos, o que é verdade. Mas que a arqueologia teria revelado que o dromedário não foi domesticado nem usado como animal de carga antes do fim do segundo milênio a.C., isto é, quase mil anos depois do dito tempo patriarcal. Sendo assim, a história de José sendo vendido a uma caravana de ismaelitas montados a camelo (Gn 37:23) não passaria de pura fantasia dos tempos monárquicos. O curioso é que esse tipo de pesquisa é encabeçada por professores das Universidade de Tel Aviv e Haifa, mas não é endossada por grande parte dos arqueólogos de outras universidades, como a Universidade do Cairo, Universidade Hebraica de Jerusalém e outras. Há menos de um mês, eu pessoalmente pude fotografar desenhos rupestres no deserto de Wadi Rum, na Jordânia, que mostram o camelo em situação domesticada servindo de montaria e animal de companhia de um caçador (fotos abaixo). Esses desenhos são do período Calcolítico, que é anterior à época dos patriarcas, indicando que esses animais já eram domesticados quando Abraão andou por aquelas paragens.

E tem mais: um texto sumeriano do ano 2000 a.C., encontrado em Nippur, e outro menos preciso encontrado em Alalaque, mencionam não só a existência desse animal entre as tribos, mas também o uso costumeiro de seu leite. Ora, para se obter leite de um animal, ele deve ser domesticado! A figura de um camelo encontra-se desenhada em uma estela da cidade de Umm An Nar, no sudoeste da Arábia, e é datada com segurança como pertencente ao terceiro milênio antes de Cristo. Também junto às ruínas descobriram ainda ossos de camelo datados do terceiro milênio antes de Cristo, o que, segundo a Dra. Ilse Kohler-Rollefson, autoridade mundial no assunto, seria “uma forte evidência de que o camelo já era um animal domesticado nos tempos patriarcais”.


Para quem tiver mais interesse no assunto, aqui vai uma pequena bibliografia que desmente os dados do jornal: “The Camel in Dynastic Egypt”, G. Caton-Thompson
Man, v. 34, feb., 1934 (feb., 1934), p. 21; “The Camel in Ancient Egypt”, A. S. Saber (1998), Faculty of Veterinary Medicine, Assiut University, Assiut; “Abraham’s Camels Free”, Joseph P. (1944), Journal of Near Eastern Studies, 3:187-193, july; “The Domesticated Camel in the Second Millennium: Evidence from Alalakh and Ugarit”, W. G. Lambert, Bulletin of the American Schools of Oriental Research, nº 160 (dec., 1960), p. 42, 43.




(Dr. Rodrigo Silva é professor de Teologia no Unasp, apresentador do programa Evidências, da TV Novo Tempo, doutor em Teologia e doutorando em Arqueologia Clássica pela USP)

3 comentários:

Anônimo disse...

E a infabilidade Bíblica , aonde fica ?

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido
também o seu blog. Minhas saudações.
António Batalha.
Peregrino E Servo.

Marlene Rocha disse...

Gostei muito de sua explicação. Obrigada.