Marcas do Dilúvio - II

sábado, 30 de janeiro de 2010

Para continuar o artigo anterior Marcas do Dilúvio – I gostaria de, nesse artigo tirar as dúvidas de muitos que acreditam que o dilúvio foi um acontecimento local como até eu mesmo sugeri no primeiro artigo da série “Marcas do Dilúvio”, e também deduzir: Existem relatos não Bíblicos do Dilúvio? E se existe não seria o relato diluviano do Gênesis apenas um plágio do que outros escreveram? Tentarei explicar de forma mais clara e precisa tudo isso e muito mais nesse segundo artigo.

Dilúvio: Acontecimento Local?

Estava lendo um livro cujo nome é “Origins”, de Ariel A. Roth, e no livro existia um trecho falando sobre o dilúvio que me deixou simplesmente boquiaberto. O texto falava sobre a possiblidade do dilúvio ter sido um fato local, como até eu mesmo havia sugerido no primeiro artigo da série Marcas do Dilúvio. Mas como eu não esperva ele deu um estalo na minha mente, o texto dizia que “se o dilúvio fosse realmente um fato local, eu poderia com certeza dizer que Deus não existe, pois dilúvios locais são realmente comuns em diversas partes do mundo, então se ele disse que não mandaria outro dilúvio, ele seria um grande mentiroso.”

Relatos não Bíblicos sobre o Dilúvio?

A mais antiga versão do Dilúvio que conhecemos vem de um tablete bastante danificado que conta a história de um certo herói chamado Ziusudra. Infelizmente mais de 80% do texto encontra-se perdido e, como resultado, a maior parte da história é obscura e difícil de ser resgatada. Apenas umas poucas passagens podem ser lidas com certo grau de certeza e, pelo que sabemos, trata-se do relato de uma imensa inundação que há tempos abateu sobre o planeta Terra, mais Ziusudra conseguiu sobreviver a ela.

Outras versões, no entanto, estão bem mais preservadas que esse épico e seu achado ajudou bastante na reconstrução dos antigos relatos sumerianos acerca do Tablete de GilgameshDilúvio. O mais completo e bem conhecido é o "épico de Gilgamesh". Ele foi encontrado por Hormuzd Rassam que substituiu o pioneiro Henry Layard nas escavações de Nínive, em 1852.

Após dois anos de árduo trabalho desenterrando os alicerces do palácio de Assurbanipal, Rassam foi recompensado com o achado da biblioteca real, a qual continha mais de 30 mil tabletes de argila reunindo o conhecimento milenar de povos do Tigre e Eufrates. Embora os documentos fossem datados do 7º século a.C. ficou claro que muitos deles (inclusive o épico de Gilgamesh) eram cópias de materiais muito mais antigos que remontavam a uma tradição do segundo milênio antes de Cristo.

Mas como saber que o Dilúvio não é uma cópia destes e muitos outros relatos de um dilúvio universal não Bíblicos?

A história é longa e o que nos interessa está no tablete n.º 11 da coleção. Ela diz que Gilgamesh tinha um amigo chamado Utnapishtim que ganhara a imortalidade e, semelhante ao Noé bíblico, conseguiu sobreviver às águas do Dilúvio. Ele havia sido previamente avisado pelo deus Ea (7) (senhor das águas e criador da humanidade) que uma imensa inundação se abateria sobre os homens. Assim, caso quisesse se salvar, Utnapishtim deveria construir uma embarcação de madeira e piche, capaz de carregar a semente da vida de cada espécie.

Finalmente, o barco ficou pronto e Utnapishtim, munido de todos os seus tesouros, entrou a bordo do barco com sua família, seus artesãos e os animais que havia recolhido. Então fechou a porta e aguardou. Finalmente, uma torrencial tempestade caiu sobre a Terra durando seis dias sem parar. O desastre foi tão imenso que até os deuses ficaram assustados e fugiram para os lugares mais altos dos céus que ficavam na montanha celeste de Anu. Eles se encolhiam como cães assustados.

No sétimo dia após o início da tempestade, o barco encalhou no topo do monte Nissir (no Curdistão) e ali permaneceu por mais seis dias. No sétimo dia, Utnapishtim solta uma pomba para ver se as águas haviam baixado, mas ela retornou, pois não havia encontrado terra firme.

Seguro de que as águas haviam baixado, Utnapishtim saiu da arca com os animais e seus companheiros e, imediatamente, ofereceu um cordeiro aos deuses que respiraram a fumaça do sacrifício e se mostraram satisfeitos.

Como podemos perceber, existe um fato que passa despercebido: O épico é puramente politeísta enquanto o relato Bíblico é totalmente monoteísta, portanto o que podemos supor é que o relato Bíblico do Dilúvio não é uma cópia, e sim uma correção destes muitos relatos fora da Bíblia que falam de um dilúvio universal.

Wesley Alfredo G. de Arruda é estudante,fascinado por Arqueologia e também pela Bíblia. Visitou diversos sítios arqueológicos no mundo como na Jordânia (Numeira e Bab Edh-ra) e no Egito (Saqqara, Giza). Também foi colaborador de um projeto de pesquisa israelense, o Temple Mount Sifting Project, localizado em Jerusalém.

Referências:

Origins, Ariel A. Roth

A Arqueologia e os Enigmas da Bíblia, Louis Frederic

Escavando a verdade, do Doutor e Pastor Rodrigo P. Silva, capítulo 7, Testemunhos do Dilúvio.

O artigo Escavando a verdade, do Teólogo Luiz Gustavo de Assis.

E a Bíblia tinha razão, de Werner Keller, com citações das descobertas de Leonard Wooley.

A História da Vida, do jornalista Michelson Borges, capítulo 6, pags. 144 a 146.

4 comentários:

Anônimo disse...

O doutor Rodrigo P silva, publicou um artigo na Revista adventista em 2009, ou 2008, no qual desmente as alegações de Wiantt, e condena suas pesquisas como equivocos e falsidades. Seria bom verificar a procedencia desse conteudo. Matheus D H, RS

http://fabiozine.blogspot.com disse...

Eu ouvi falar que o livro de Werner Keller foi lançado nos anos 50, e já estaria ultrapassado em questões arqueológicas, há procedência?

Wesley Alfredo G.de Arruda disse...

Sim foi lançada em 50 mas ainda é utilizada até hoje por grandes pesquisadores como Rodrigo P. Silva, S. Julio Schwantes, e como pode ver nao eh um livro ultrapassado.

Anônimo disse...

Gente quem percebeu... um artigo puxa o outro, no ultimo artigo, o autor comenta todas essas descobertas fazendo uma pergunta...
deem uma olhada flw
o link para o ultimo artigo:
http://www.arqueologiadabiblia.com/2010/01/marcas-do-diluvio-iv-anexos.html